Make your own free website on Tripod.com
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 .

 

SHEMA ISRAEL, ADONAI ELOHENU, ADONAI ECHAD! DEUT 6:4

 

Os Dez Mandamentos foram abolidos?

By http://www.yerushalaim.com.br

É possível que a Graça anule a Lei?

A Lei do ETERNO existe para identificar o pecado para revelar seus transgressores. A nossa fé não anula a Lei, antes a confirma.

Como nós cremos que existe o pecado e pecadores, automaticamente confirmamos a vigência da Lei do ETERNO (Rm. 3:31). Sem o pecado, para que a Graça?

Os inimigos da Lei do ETERNO concordam e aplicam os nove mandamentos do Decálogo e certamente o defenderiam não fosse o quarto, que ordena o repouso e a santificação do dia de Sábado. Se são contra o Sábado, porque é da lei e do A.T., por que pregam o dízimo? Numa tentativa de derribar o Sábado e todos os Dez Mandamentos, alegam que a Lei do ETERNO foi dada por Moisés.

Existe distinção entre a Lei do ETERNO e as outras leis?

Sim. A Lei do ETERNO foi escrita pelo próprio o ETERNO em duas tábuas de pedra e dura eternamente. Nada lhe foi acrescentada além das Dez  Palavras (Deut. 5:22; Êxodo 31:18). Foi colocada dentro da Arca do concerto e hoje está escrita nas tábuas de nosso coração (Dt. 10:2; II Co. 3:3; Jr. 31:33; Hb. 8:10).
As outra leis, conhecidas como cerimoniais eram transitórias (embora nem todas); foram escritas por Moisés num livro, acrescentadas por causa da transgressão do Decálogo e colocadas ao lado da arca (Dt. 31:24-26; Gl.3:19). Muitas cessaram na cruz (Ef. 2:15; Cl. 2:14).

Por que Paulo considerou a Lei do ETERNO como Ministério de morte?

No Decálogo não existe nenhum mandamento que manda matar; pelo contrário, há um que proíbe. O fato é que uma outra lei, do livro, punia com morte os transgressores da Lei do ETERNO:
Ter outros deuses (Dt. 13:6,9);
Idolatria (Dt. 17:3,5);
Desrespeito ao nome do ETERNO (Lv. 24:16);
Transgressão do Sábado (Nm. 15:32-36);
Filhos desobedientes (Dt. 21:18-21);
Assassinato (Lv. 24:17);
Adultério (Dt. 22:23,24);
Falso testemunho (Dt. 19:18,19).

Em Cristo, o pecador não sofre a morte de imediato e tem a chance de se arrepender e ser salvo. Isto é a Graça!. Todavia não deve seguir pecando, ou seja, transgredindo. No N.T., a mesma Lei do ETERNO está em vigor e não é ministério de morte, pois ninguém é punido pelos homens com a morte, pelo pecado praticado.

OBS: Não com a morte física (1ª morte) mas sim com a 2ª morte que é a Morte Eterna, de que se fala nos mandamentos...

Que é o pecado?

Segundo as Escrituras o pecado:
É transgressão da Lei (I Jo. 3:4);
Se conhece, pela Lei (Rm. 3:20; 7:7);
Não é imputado, sem a Lei: (Rm. 4:13; 15);
Está morto, sem a lei (Rm. 7:8; Co.15:56);

Que aconteceria se a Lei do ETERNO tivesse sido abolida?

- O pecado não mais existiria, a partir do fim da vigência da Lei.
- Yaohushua teria morrido em vão, pois se não há pecado não seria necessária Sua morte.
- Não haveria necessidade da Graça, pois não existiria pecador.
- Desnecessário seria se pregar o Evangelho, pois ninguém é pecador e não há de que se arrepender.

Guardando os dois ensinados por Yaohushua não é o suficiente?

Mat. 22:37-40; Rom. 13:10. Se realmente alguém estiver guardando os dois, é claro que está cumprindo tudo. Mas, veja bem:

Quem ama a o ETERNO de todo o coração:

1) Não tem outros deuses
2) Não faz ou adora ídolos
3) Não toma seu nome em vão
4) Santifica Seu dia de repouso

Quem ama o próximo como a si mesmo:

1) Honra a pai e mãe
2) Não mata seu próximo
3) Não pratica adultério
4) Não furta
5) Não mente ou dá falso testemunho
6) Não cobiça os pertences dos outros

A que conclusão chegamos? Só guardam os dois, quem guarda os dez! Tiago 2:10.
 

Não seja cúmplice daqueles que conscientemente violam a Lei do ETERNO, e ensinam você a fazer o mesmo. Contate-nos e conheça mais provas bíblicas sobre o dia que o ETERNO santificou.

O Sábado

“E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues nas suas mãos por um tempo, e tempos, e metade de um tempo.” (Dn. 7:25). Assim descreve o profeta aquele futuro poder que mudaria os tempos e a Lei do ETERNO! Isso se cumpriu aproximadamente mil anos depois!
Os líderes do “cristianismo” para ficarem desobrigados de guardar o Sábado, insistem em dizer que o quarto mandamento da Lei do ETERNO foi abolido! Entretanto, esses mesmos que diariamente visam invalidar o Sábado como mandamento, apegam-se ferrazmente à observância do dízimo!
Quando o mandamento serve para engordar as contas bancárias desses líderes, aí sim, tem validade, e os fiéis incautos são obrigados a obedecer!

A ORIGEM DO DOMINGO

Para sair de Babilônia, como recomenda a Palavra, é preciso renunciar a tudo o que se compromete com ela, caso contrário, estaremos servindo a o ETERNO em vão, sem nenhuma chance de sermos salvos.

A MAIOR DIVINDADE DO PLANETA!

Entre os astros divinizados pelos povos pagãos, o sol destacou-se e tornou-se a maior deidade reverenciada, o mais popular “deus” do planeta. Um dia da semana foi-lhe separado para o culto, o primeiro dia da semana [domingo]. Tal idolatria atingiu seu clímax dentro do Império Romano pagão, e posteriormente dentro da religião católica. Hoje, no atual “cristianismo”, essa crença é totalmente aceita!
De que maneira a adoração do sol foi introduzida no “cristianismo”?
Constantino foi imperador de Roma entre os anos 306 a 337 d.C. No ano 321 d.C. promulgou a seguinte lei: “Devem os magistrados e as pessoas residentes nas cidades repousar, e todas as oficinas ser fechadas no venerável dia do sol” (History of de Christian Church - vol. III, pág. 380).

Nota: O “venerável dia do sol”, mencionado pelo imperador, é o primeiro dia da semana, popularmente conhecido nas línguas de origem latina como “domingo”. Constantino sempre foi um profundo adorador do sol e, continuou sendo, mesmo depois de se considerar um seguidor de Cristo. Ele mesclou o costume dos dois povos (pagãos e cristãos) com o objetivo de agradar a ambos e fortalecer o seu império.

OBS: Que comemora o dia 25 de dezembro está guardando "o domingo dos domingos" pois sem confirmação escriturísticas atribuíram este dia pagão ao nascimento de Yaohushua...

A Enciclopédia Britânica - 11º edição, falando do “domingo” declara o seguinte:
“O mais antigo reconhecimento da observância do domingo como uma obrigação legal é uma constituição de Constantino, de 321 A.D, decretando que todas as cortes de justiça, habitantes de cidades e oficinas repousassem no dia do sol (Venerábilis dies solis), exceção feita apenas àqueles que estivessem ocupados em trabalhos de agricultura”.

Posteriormente, a religião católica apoiou tal atitude e assume a autoria da mudança do dia do repouso de Sábado [o sétimo dia da semana] para o domingo [o primeiro dia], fato que é confirmado pelo padre Júlio Maria, num ataque rechaçando a hipocrisia dos protestantes; ele diz:

“O Boletim Protestante diz: Guardamos o domingo'. Mas, como é isto caro protestante? Isto é romano! Mostre-me onde está na Bíblia o preceito de guardar o domingo?... Aqui os sabatistas têm razão contra as outras seitas: o sábado é o dia do Messias! (Êx. 20:10; Jr. 17:22; Êx. 31:14; Jo. 9:16). Eis o que é bem claro e positivo. Em parte nenhuma figura o domingo como dia do Messias. Como é que um protestante zeloso, cioso em observar todos os preceitos da Bíblia, desobedece tão formalmente? Olhe, caro amigo, isso faz duvidar do seu protestantismo!...”

E continua o padre: Nós católicos, romanos, guardamos o domingo, em lembrança da ressurreição de Cristo, e por ordem do chefe da nossa Igreja, que preceituou tal ordem do sábado ser do Antigo Testamento, e não obrigar mais no Novo Testamento. E conclui então o padre: “O amigo está se afastando do protestantismo e virando católico, meus parabéns!”.

Vemos que a guarda do domingo, guardado como suposto dia da ressurreição de Yaohushua, é uma imposição vinda, não através da Palavra, mas por meio daqueles que se apostataram, abraçando o mandamento pagão! Fica ainda uma incômoda questão para  os teólogos dominguistas responderem: precisava mudar a guarda do Sábado para o domingo se este não era observado?

QUAL A FINALIDADE DA LEI?

“Por isso ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei; antes, pela lei vem o conhecimento do pecado... (Rm. 3:20).
O objetivo da Lei é mostrar o pecado e não nos justificar. Pois, se não existir a Lei para mostrar o pecado, este também não existiria! Portanto, não estão bem os que insistem em dizer que a Lei foi abolida, tentando se justificar e com isso invalidar a observância do mandamento do Messias, o Sábado!

Temas DVs

HOME

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.